Eu tenho vários amigos que trocaram nossa tão amada SP por terras estrangeiras. Adotaram São Francisco, Londres, Amsterdã, Sidney e tantas outras como suas cidades… musas.

Como assim cidade musa?
De uma hora para outra todos eles começaram a tirar fotos incríveis, poéticas, com legendas carregadas de significados, de cada detalhe, cada esquina de seus novos lares. O mendigo, o artista de rua, o executivo, a moça do cachorro quente, o grafite, o pixo, a garrafa, aquele predinho, aquele rio, a bike amarrada na grade. Tudo merece o clique.

Daniela Ometto/Rússia

Claro, provavelmente eles são movidos pela novidade. O encanto do novo, curiosidade, registrar o que os surpreende, o que os agrada. Mas por que aqui, na terra deles, nada disso era digno de registro? Por que nós não conseguimos ver a beleza do que nos rodeia?

Aqueles pequenos momentos do cotidiano carregados de extrema sensibilidade. São Paulo não tem essa beleza? Claro que tem, e muita. Você apenas não está olhando.

Maíra Gouveia/Sapezal-Brasil

Eu queria muito ver o olhar dessas pessoas sobre São Paulo. Queria saber o que todo mundo enxerga em cada lugar dessa cidade. O que a amiga do Belém vê ao ir trabalhar, ou por onde o amigo do Butantã passa ao ir comprar cerveja no mercado da esquina.

Quantas cenas não perdemos. E não só em relação a registro fotográfico, mas também aquele momento de parar e contemplar a beleza daquilo que nos pertence diariamente.

Tuia/Nova York-EUA

Seja em SP, Nova York, Tóquio, Sorocaba, Sapezal,  Osasco… aquele momento está lá, só esperando para ser registrado e por que não por você?